Carro 8 vence as 12 Horas da redenção

Com o autódromo de Viamão lotado depois de muito tempo, o novo formato da corrida de longa duração mais famosa do Brasil – sem a presença dos protótipos, que dominaram a prova de 1999 até o ano passado, e com um grid de vinte e nove carros inteiramente formado pelo bólidos do Gaúcho de Marcas e Pilotos, todos com motor exatamente igual -, as 12 Horas de Tarumã deste ano foi um sucesso total, com a vitória do quarteto Analino Sirtule “Choka” (RS), Marcos Silveira (RS), Juliano Fantin (RS) e Jonas Simon (RS), do Onix de número 8 da Equipe Choka Racing. Com a chancela da Federação Gaúcha de Automobilismo (FGA), com a homologação da prova e o fornecimento de todo o grupo de comissários e direção de corrida, as 12 Horas foram superdisputadas desde a largada (ao estilo Le Mans), em todas as horas, até a chegada, com a liderança sempre trocando de mãos e sem nenhum incidente grave. O público, que não arredou pé das dependências do autódromo, adorou e vibrou muito.

Como disse Jorge Fleck, do carro 7, bicampeão brasileiro de Fórmula-Truck, “estava na hora de voltarmos a fazer uma corrida para os torcedores do Alam, do Alambrado”. Aliás, os mais experientes pilotos do grid das 12 Horas foram unânimes na aprovação do novo formato da prova. Só para se ter uma ideia, uma equipe de protótipos gastava em torno de R$ 300 mil para participar das 12 Horas, enquanto o gasto para os carros de Turismo girou em torno de R$ 30 mil por escuderia. João Sant’Anna, vencedor da primeira corrida disputada com os protótipos, em 1999, a bordo do MCR, desenvolvido e construído pela MetalMoro, do Rio Grande do Sul, engrossou o coro em favor dos carros mais acessíveis e iguais: “estamos em novos tempos. Com a crise econômica nacional, não dá para desperdiçar dinheiro se podemos oferecer ao público algo mais pé no chão e mais emocionante”.

Já Tiel de Andrade, herdeiro do lendário Tubarão, um protótipo feito em Campo Bom por seu pai, Carlinhos de Andrade, morto em abril deste ano, vítima de um enfarte, foi enfático: “não competia com este tipo de carro há muito tempo, mas se é para o bem de todos, também gostei do novo regulamento. E digo mais, teremos a corrida mais lotérica da história das 12 Horas, porque qualquer um dos vinte e nove carros pode vencer”. Tiel foi justamente o último ganhador da Era dos protótipos, no ano passado.

Desde a largada, o carro de número 8 – terceiro colocado no grid – chamou a atenção de todo mundo, assim como mais de uma dezena de competidores, como o 29 – pole position da corrida -, o 3, o 5 (da equipe Tubarão), o 44, o 46, o 54, o 90 e o 110. Às 6h da manhã, nada menos de vinte seis carros ainda permaneciam na pista, quando os vencedores já se revezavam na ponta. Pelas 7h30min, a equipe levou um susto quando o carro parou na parte interna da Curva do Laço. No entanto, uma rápida intervenção da equipe sanou o problema e trocou o piloto, perdendo apenas duas voltas, que recuperaria mais tarde.

Quando entrou na última hora da corrida, houve mais uma bandeira amarela devido à perda da tampa do porta-malas do caro de número 14. Imediatamente, o 8 foi para o box para sua última parada, pois a autonomia desses carros é de pouco mais de uma hora. Com muita calma e prestando atenção a todos os detalhes, inerentes a esse tipo de prova, o piloto Choka conduziu o Onix para seu desfile final até a bandeirada. Mas não sem mais um susto, com a queda de uma garoa que se transformou em chuva forte nos 20 minutos finais. No entanto, o dia era do carismático Choka e sua equipe.

No dia em que Daniel Serra igualou o tricampeonato do pai Chico Serra na Stock Car, Tarumã deu uma aula de prova bem organizada e disputada do início ao fim. Em nome da segurança, Carlos Alberto Rodrigues de Deus, o Português, presidente da FGA, determinou que os carros nas 12 Horas de Tarumã deveriam respeitar um pit stop de pelo menos dois minutos e meio. E tudo transcorreu na mais absoluta tranquilidade dentro dos boxes.

 

 

 

 

Resultado final:

1) #8 Marcos Silveira/Analino Sirtule/Juliano Fantin/Jonas Simon – Onix – 12h02min22s/455 voltas
2) #3 Fernando Doval/Carlos Erwig/Paulo Flores – Celta – a 4s066
3) #5 Tiel de Andrade/Julio Martini/Ricardo Haag – Corsa – a uma volta
4) #54 Tiago Takagi/Leonardo Flores/Alex Citron – Onix – a uma volta
5) #10 J.Cardoso/F.Seabra/P.Ventura/C.Almeida/Biansini/Stedile – Celta – a três voltas
6) #46 João Santanna/Willian Gaiwski/A.Toso/M.Gonçalves – Corsa – a seis voltas
7) #110 J.Cardoso/F.Seabra/P.Ventura/C.Almeida/R.Biansini/F.Stedile – Celta – a nove voltas
8) #14 Claiton Salcedo/Kaki Andrade/Michel Giusti – Corsa – a 13 voltas
9) #12 Fabiano Kratina/Fernando Trennephol/Átila Trennepohl – Corsa – a 13 voltas
10) #77 Daniel Elias/Mario Barnardi/Luiz Sergio Sena Jr – Celta – a 14 voltas
11) #99 Demilson_Andrade/Silvio_Lodi/N.Dallagnol/ChrisMatuzalem – Celta – a 15 voltas
12) #28 Luiz Cordeiro/Gustavo Ribeiro/Gabriel Corrêa – Celta – a 17 voltas
13) #9 Bruno Ceccagno/Ian Jepsen Ely – Celta – a 18 voltas
14) #47 Otavio Bresolin/Rodrigo Messa/Gustavo Tortelli/P.Fontes – Celta – a 24 voltas
15) #44 Eduardo Buneder/Alexandre Buneder/Alexandre P Buneder – Celta – a 25 voltas
16) #11 Fabiano Cardoso/Thiago Tambasco/Maicon Roncen – Celta – a 28 voltas
17) #72 Djalma Fogaça/Diego Possuelo/Narciso Verza – Celta – a 28 voltas
18) #7 Jorge Fleck/Vicente Daudt/Rafael Fleck/Danilo Martins – Celta – a 49 voltas
19) #819 Paulo Rogério Jr/Ike Ramos/Marcelo Camacho – Corsa – a 60 voltas
20) #49 Paulo Jalles/Maximiliano Cassalha – Corsa – a 62 voltas
21) #41 Davi Oliveira/João Giovanella/Guilherme Rusche/H.Frohlich – Corsa – a 63 voltas
22) #27 Rodrigo_Machado/Christian_Castro/Roger_Sandoval/C.Pereira – Onix – a 79 voltas
23) #35 Neni Fornari/Eduardo Araujo/João L.Araujo/VitorPolese – Celta – a 91 voltas
24) #415 Marcelo Dieder/Fábio Cabellera/Marcelo Mendes – Celta – a 102 voltas
25) #90 Dudu Fuentes/Rodrigo Ribas/Rafael Cohen/F.Toigo – Celta – a 105 voltas
26) #116 Rafael Costa/Airton Dihel/Fernando Nose Corsa – Corsa – a 129 voltas
27) #29 Guto Rotta/Thiago Messias/Carlos Machado – Celta – a 129 voltas
28) #21 Rodrigo_Machado/Christian_Castro/Roger_Sandoval/C.Pereira – Celta – a 194 voltas
29) #56 Luiz C Ribeiro/Peter Ferter/Rafael Souza – Celta – a 348 voltas

Volta mais rápida #14 Corsa – 1min21s888 na volta 349

Por Daniel Dias / Fotos-Vídeos Gabriel Dias e Fotos Dudu Leal